Neisseria gonorrhoeae

Ela não queria me dar, de jeito nenhum. E aqui não tem metáfora, de jeito nenhum. Ela não queria me dar isso mesmo que você deve ter pensado quando leu a primeira frase do parágrafo: a boceta. Só deixava por os dedos médio e indicador, juntos, untados com cuspe. Eu insistia, insistia, insistia. Nem uma chupadinha ela deixava, de jeito nenhum. Até que uma noite ela bebeu, sem saber, um sonífero. Foi tiro e queda: trinta minutos depois lá estava eu com o meu mebro dentro dela, em movimentos rápidos de ida e volta. Um mês depois acordei com sensação de queimação ao urinar, uma descamação amarelada no pênis e os testículos doloridos. Descobri que o que a filha da puta tinha não era pudor. Era gonorreia.
Postar um comentário