Vigília

Não importa a que horas eu chegue em casa: lá está ela me esperando no sofá, ansiosa pelo meu toque. O dia está quase nascendo e eu só penso em dormir, mas ela me chama... quer que eu me sente com ela no sofá, nem que seja por apenas por um momento. Eu olho para as curvas perfeitas de seu corpo e a pego pela mão, puxando-a para junto de mim. Deixo que meus dedos deslizem por seu braço e então tudo começa: os gemidos, o rosnado, os gritos... e enfim o silêncio. Então eu me levanto, desligo o amplificador e a deixo no sofá, repousando com as cordas para cima e vou dormir com um sorriso nos lábios. Adoro a minha guitarra.
Postar um comentário