Meu único desejo

O barulho da ventania gelada sacudindo as árvores, aquela luz fantasmagórica da lua fazendo sombras assustadoras em todos os lugares, uma sensação estranha de que não estamos sozinhos, a percepção de que os espíritos estão trabalhando para te fazer algum mal... A madrugada. Quatro horas da manhã. E o maldito vizinho gritando com a mulher. Por alguns minutos fiquei encarando as sombras do ventilador de teto na parede tentando entender o que estava acontecendo. Uma briga? Meu único desejo era que ele, ou ela, tomasse a iniciativa. Um assassinato. Um suicídio logo em seguida. Sangue escorrendo de dois corpos mutilados. Silêncio. E finalmente um sono tranqüilo.
Postar um comentário