O mundo girava

Ela insistia que podia voar porque tinha cara de borboleta e se todas voam, por que menos ela?! Ah! Era impossível que alguém a convencesse de que tudo não passava de um safari onde nem era permitido atirar nos animais, já que ela achava que aquele leão atraente pedia um tiro na testa, e ela, que jamais reprimia os desejos alheios, sentia uma enorme vontade de satisfazer o leão, mas tudo passou quando desceram do navio e deram de cara com aquela ilha sem nome no meio do oriente, com peixes que saltavam em suas roupas e um havia entrado justamente nos eu decote. Aquele bendito decote que ele insistiu para que ela não usasse porque poderia ser considerado...uma abertura para diversos meios de comunicação e pegação. Ela sorriu e o fez relaxar com um olhar de quem visitou saturno três vezes só esse ano. Ele pediu desculpas e ligou o carro. Pronto. Estavam em casa, no quarto, na cama, no lençol de algodão pseudo-egipcio comprado na promoção
Postar um comentário