Te amo pra sempre

Enormes seios, boca carnuda, pernas sempre a mostra e um coração feito lona de circo: enorme. Consuelo nasceu para amar. Amou tantos homens que seus amigos perderam a conta, e cada um deles seria o último [e foi], aquele que iria levar a fogosa espanhola para uma cabana, num terreninho só deles, para viver apenas de amor, amor, amor... Na última desilusão ela conheceu o Claidson: um mineiro assanhado e estranho que prometeu-lhe não uma cabana, mas um grande latifúndio. "Cê ainda terá seu pedacin de terra." Dois meses foi o tempo necessário para que ele lhe disse tudo que prometera. Todo dia Claidson vai ao cemitério aguar os jasmins que plantou no "latifúndio" que deu para Consuelo. Ele jurou que ela caiu da escada e ela já não podia fazer juras nem de amor, como era de costume.
Postar um comentário